domingo, agosto 31, 2008

"O Pavilhão das Peónias" de Lisa See

See, Lisa, O Pavilhão das Peónias (Peony in Love), Bizâncio, Tradução de Ana Falcão Bastos e Cláudia Brito, 2008.

Peónia, filha de um destacado funcionário da Corte do imperador Kangxi, tem dezasseis anos e prepara-se para casar com o filho do melhor amigo do pai. Nunca o vira, conforme, aliás, ditava a tradição. Os noivos só se vislumbrariam quando já fossem marido e mulher, no leito conjugal, no momento em que o denso véu carmesim que cobria a face da nubente fosse retirado pelo esposo.

O seu aniversário, nesse derradeiro ano como mulher solteira, é assinalado com a representação de uma ópera muito apreciada por Peónia, precisamente “O Pavilhão das Peónias” de Tang Xianzu, o cântico de uma mulher que morre de amor e que provocara nas jovens donzelas enclausuradas nos imensos complexos luxuosos das suas famílias, o desencadear de emoções nunca vividas, de um mal de amor por vezes abstracto, uma febre que tornara a obra, aos olhos dos pais zelosos de raparigas casadoiras, objecto proibido.
As jovens eram mantidas dentro dos altos muros distantes do mundo exterior, longe de olhares indiscretos que as pudessem cativar e, no entanto, aquela obra diabólica, quando lida por donzelas de imaginação fértil com o destino traçado pela família, provocava o pior dos desfechos.

Apesar das tragédias ocorridas, o pai de Peónia não resiste a proporcionar à filha que ele julgava imune a tais assomos, o prazer último de lhe trazer a ópera a casa, inserida nos festejos prévios do casamento que se realizaria dali a escassos meses. A despedida perfeita para a filha única.

A resignação de Peónia à deliberação da família em casá-la com um desconhecido, altera-se no decorrer da apresentação de “O Pavilhão das Peónias”. As mulheres da casa, assistem à ópera encenada pelo pai, por detrás de um biombo, no entanto, por entre as frestas, Peónia observa um jovem de cabelo muito negro e liso que a faz reflectir na sua condição de mulher que não pode amar quem quer, mas quem lhe é imposto.
Perturbada pela ideia insuportável de se ver casada com alguém que lhe causa repulsa, Peónia dirige-se ao jardim onde o jovem que vira na assistência masculina da ópera aparece. É o primeiro de alguns encontros transgressivos entre duas pessoas que compreendem a infeliz condição de ambos estarem prometidos e da impossibilidade de concretização do amor que nascera naquele jardim.

Peónia é castigada ao serem detectadas as suas fugas para o jardim. São-lhe retirados os livros que tanto amava, sobretudo “O Pavilhão das Peónias” cuja influência negativa, segundo a amarga mãe, já se abatia sobre a jovem. Por fim, sem o seu amor, sem a companhia de um livro, sem o seu nome de baptismo, retirados todos os elementos constitutivos da sua identidade, encerrada no quarto, condenada a casar com alguém que não conhecia, Peónia deixa de comer. A sua pele torna-se translúcida à medida que o momento do seu desaparecimento se aproxima.

O fim é o começo de uma peregrinação que durará longos anos durante os quais Peónia descobre insondáveis segredos de família e protege o seu bem-amado da influência perversa de uma rival obcecada com a posse do destinatário do amor de Peónia.

Ela converte-se num anjo que vela pelo seu amor até encontrar o caminho para a sua eterna morada.

5 comentários:

Ana Paula disse...

Parece lindíssimo, Carla!
Uma história de amor, carregada de exotismo e que revisita a condição feminina na cultura oriental...

Obrigada!
Um beijinho!

Pedro disse...

Um livro bonito, assim me parece, muito suave e com descrições belíssimas, ou assim dá a entender o teu comentário.

Carla Milhazes Gomes disse...

Olá Ana! É um livro que te transporta para uma época e para um espaço cultural realmente diferentes tornando-o muito apelativo e por outro lado como tu bem dizes "revisita a condição feminina na cultura oriental" com o descrever de avanços e recuos, derrotas e conquistas daquelas corajosas mulheres que ousavam transpôr os muros dos palácios nem que fosse em pensamento...

Carla Milhazes Gomes disse...

Pedro, uma obra muito bem escrita e de conteúdo denso apesar de leitura acessível... Digo denso porque te remete para tempos em que a condição feminina oscilava entre a liberdade considerável quando estava um governante no poder e a total falta dela quando outro imperador ocupava o lugar do anterior... Obriga-te a reflectir, a questionar o porquê tendo em consideração o momento histórico daquela civilização em particular, vale muito a pena:)

flicka disse...

Eu já tinha lido este post. A escritora conta muito bem as histórias de cultura chinesa, descreve tudo com uma precisão impressionante, os sentimentos e as tradições, e faz-nos recuar até àquele tempo e ver tudo com uma nitidez fantástica, mistura os factos históricos com a ficção lindamente! É uma escritora a ter debaixo de olho!